Terça-feira, 30 de Maio de 2006

Nos Jerónimos

As notas soltas nas vozes
nos instrumentos,
ascendem
diluem-se nos vitrais
exibem-se nas ogivas
pairam nas abóbadas,
esquecidos ficam os gestos teatrais,
os divos e as divas,
e exímios instrumentistas
fundidos no ouro reluzente
mas transparente
da magnífica multiplicidade unificada

"Magnificat" de Bach
inspira um novo fôlego
de pulmões abertos
e coração pulsante de alegria
nesta viagem esfuziante
num espaço de tempo monumental

Na fusão espácio-temporal
acreditei mesmo que afinal
as colunas e as pedras,
os vitrais e os pórticos,
agrupados em naipes
cantavam para mim
as notas e pausas
inscritas nos capitéis
nos portais de um outra dimensão.

Mudou o espaço
mas vindas daquele
agora mudo
lugar
ecoam na minha voz
as notas e palavras
do Et exultavit
sem da capo
e a tempo.
publicado por luzinha às 11:31
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 28 de Abril de 2006

Esquecimento



Como uma flor,

Tirada do prado,

Seca e sem perfume

Ficaste

Dentro de um caderno

nunca folheado.

Tu

Que foste

(digo-o sem azedume)

o poema maior

sempre eterno

sempre terno

de um poeta

me

nor.

publicado por luzinha às 10:47
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 7 de Abril de 2006

Luz Intemporal

Este blog continuará a existir, mas visitem entretanto um novo espaço intitulado 


Luz [in] tempo [ral] 

publicado por luzinha às 12:49
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 23 de Março de 2006

Siso

Perdi-o
Numa luta desigual
Para não dizer brutal
Foi-se o siso,
um siso
nas mãos da dentista
e de lá para um saco.

Deixou-me um buraco
onde caem as palavras
e só me restaram estas,
sem nada de artista,
e um doído e calado sorriso.



publicado por luzinha às 23:23
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 19 de Março de 2006

Pai

pai.jpg

Neste dia,
Como em todos os outros,
Agradeço a Deus por ti,
Pai!
Neste dia,
Como em todo os outros,
Rogo a Deus por ti,
Pai!
És meu pai
Sempre o meu pastor,
Sempre a meu lado
em águas calmas
em águas revoltas
E no teu amor,
neste dia,
como em todos os outros,
tenho um porto de abrigo!


publicado por luzinha às 23:54
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 15 de Março de 2006

Viagem

barco.jpg

Navegarei.

Nesse mar imenso
De campos verdejantes
Bordados de espinhos e flores.

Seguirei.

Sob o sonho intenso
De eternos viajantes
De eternos amores.

Velejarei.

Soltando o incenso
Nas velas esvoaçantes
dos pensamentos de mil cores

Chegarei.

Segurando o leme intenso
De esperança e paz ressonantes
Contra todos os adamastores

Foto by: R@keL
publicado por luzinha às 11:29
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 10 de Março de 2006

Espera

Ouvi
sussurando
à janela de um sonho,
à distância de uma memória viva
o canto de um rouxinol,
que luzia na escuridão.

Afino o ouvido
Ritmo o coração
pela melodia desse trino
Elevo-me a caminhos suspensos e féericos
Cheiro alfazema e rosmaninho
nos teus olhos


Flores de sal ganham doçura:
são rosas, senhor!

Quisera o silêncio,
perder-me, perguntando:
"o amor?"
e dizer também
como naquele poema,
o de Helberto Hélder:
"Rosa a rosa murcharão meus ombros"

Mas pulsa em mim
a seiva severa e sincera
que espera apenas
o sol nascendo
ante nós
publicado por luzinha às 17:20
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 8 de Março de 2006

MULHER

rosa.jpg

Mulher flor
Mulher estrela
Mulher serra
Mulher corpo
Mulher perfume
Mulher terra
Mulher leite
Mulher pão
Mulher fera
Mulher massa
Mulher canção
Mulher guerra
Mulher rainha
Mulher escrava
Mulher primavera
Mulher poema
Mulher concha

Mulher inteira
Simplesmente
Mulher

Foto: by R@keL
publicado por luzinha às 12:26
link do post | comentar | favorito

Heroe

| |
publicado por luzinha às 12:03
link do post | comentar | favorito
Sábado, 4 de Março de 2006

Pride and Prejudice

pride.png
Vi há pouco tempo o filme "Orgulho e Preconceito", baseada na obra homónima de Jane Austen e retive de todo o filme esta imagem em particular; talvez não haja em si nada de extraordinariamente fenomenal, talvez esteja vestida de pura simplicidade, mas traduz, com rara beleza, o ponto alto de um encontro de duas pessoas que se amam, ultrapassados tantos desencontros. Depois de interpretações erróneas de carácter, baseadas na aparência e no preconceito, a verdadeira essência de cada um é iluminada e com o raiar de um reluzente novo dia revela-se o Amor.


publicado por luzinha às 11:37
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

.pesquisar

 

.Maio 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
31


.posts recentes

. Nos Jerónimos

. Esquecimento

. Luz Intemporal

. Siso

. Pai

. Viagem

. Espera

. MULHER

. Heroe

. Pride and Prejudice

.arquivos

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários